segunda-feira, 26 de março de 2012

Inspiração

 CHICO CASTILHOS E ALBINO MANIQUE NA
 RADIO GAUCHA- 1959


E estes meninos da fotografia acima?!
Estes fazem parte da minha história, e parte da história de muitas pessoas... Quem não cantou e se encantou com a vida e obra destes dois meninos?!

Hoje ao abrir meu facebook encontrei a solicitação de amizade do grupo OS MIRINS, e fiquei muito contente. Logo em seguida, encontrei o perfil do Dinarcy Manique (irmão do Albino Manique), e tomei a liberdade de "roubar" algumas fotografias desta Dupla Mirim que é uma referência da tradição e da cultura do nosso Estado. 
Albino Manique e Francisco Castilhos


Pensando e repensando, senti uma vontade imensa, de escrever tudo que sentia vendo aquelas fotos, não só pela "veia" que eu tenho desde criança de fanatismo pelo grupo, mas sim pelo reconhecimento do grandioso trabalho musical do grupo e do Albino, pelas pessoas maravilhosas que eles são, e pela história.
Ainda antes de eu nascer, meus pais já escutavam musicas do grupo. Tinham alguns LP's. Tive o prazer e a felicidade de escutar lindas melodias desde a minha infância. Isso me deixa muito contente, porque foi ouvindo musica boa e de qualidade que eu tive o interesse em tocar acordeon. 


Por volta dos meus 10 anos de idade, meu pai foi presidente da CPM da escola onde eu estudava, e todos os anos ele e a diretoria organizavam bailes para arrecadar fundos para os gastos do colégio. Lembro que no primeiro baile, (alias, no primeiro, segundo.... acho que foram quatro bailes se não me engano) meu pai contratou Os Mirins, no tempo que Rodrigo Lucena, Orlandinho Rocha tinham recém entrado no grupo. O Carlos Adenir também tocava, e o "trio de ouro": Albino, Chico e Oscarzinho. Eu era fanática. Eu tinha até caderno de autógrafos que guardo ate hoje com muito carinho. O Albino fez uma dedicatória no meu primeiro caderno de música. Confiram nas imagens abaixo:


Lembro de uma vez que eu estava na Festa da Uva junto com meus avós, e Os Mirins estavam tocando um show lá, e meu avô me acompanhou até os fundos do palco para pedir autógrafo do grupo.

Ahhh lembro também de uma Festa Junina que meu pai organizou no Clube Minuano, aqui em Fazenda Souza, quando eu tinha uns 14 anos eu acho, e eu tive a oportunidade e o prazer de tocar a Madrugada junto com o Albino. Eu não tenho o registro fotográfico, mas tenho o registro na minha memória. Nunca vou me esquecer!!!

Vem na minha mente agora também, um baile que eu e minha familia fomos à Vila Seca (distrito de Caxias do Sul) e Os Mirins tocaram lá. Daquele dia lembro muito do Chico Castilhos. Ele chegou pra tocar, de um jeito bem sério, parecia concentrado :)

Na fotografia abaixo, eu e Albino Manique. O retrato foi feito em um baile dos Mirins no Clube Guarani em Caxias do Sul. Acredito que eu tinha uns 16 anos.

Albino Manique é referência para qualquer acordeonista. O trabalho musical deste artista é fundamental na historia da musica instrumental do Rio Grande do Sul, alias o trabalho do grupo Os Mirins é parte da historia do Estado.
Quantas e quantas musicas, que eles trouxeram para nós. 
Se eu fosse falar de todas aqui... O texto seria muito longo :)
Estou emocionada com as lembranças que vieram em minha mente nesse momento, das oportunidades que tive de conviver instantes perto de toda esta gente boa, esta gente nossa que mencionei aqui neste texto.


Por tudo isso que Albino Manique e Francisco Castilhos construíram e todos que até hoje fizeram parte do grupo Os Mirins, deixo minha homenagem a eles aqui no meu blog, alias esta homenagem está no meu CD: a música MANIQUEIRA. No CD esquecemos de deixar registrado o porque deste nome, mas a intenção foi homenagear meu ídolo Albino Manique! Sou grata até hoje por ele ser a minha influência! 

Albino! Obrigada por existir! O Rio Grande agradece de chapéu na mão!

 


Ahhh e antes que eu esqueça! OS MIRINS estão de CD novo, quentinho confiram:


domingo, 11 de março de 2012

Fotos do Show da Festa Nacional da Uva

Olá amigos!
Segue abaixo, as fotografias do show na Festa Nacional da Uva em Caxias do Sul.
Imagens registradas por Antonio Carlos Lorenzett.
Nesta fotografia, Omair Ribeiro Trindade apresentando meu trabalho para o público presente.



Titi no violão, Paola Delazzeri nos vocais, Jéssica Thomé no acordeon e vocais, João no contra-baixo e Yonatan Gonzalez na bateria.